A estática da linha do horizonte

O mar visto com lampos de luz branca, o vento com interferências de nano segundos, as gaivotas que voam sem som. 

Aquele zumbido nos ouvidos que tentas silenciar como se de uma televisão defeituosa se tratasse. O sol que estava a Este e de repente está a Oeste, as horas que voaram e tu nem piscaste os olhos. Ali, quieto, em frente ao ecrã às riscas.

É o mundo que desmorona ou és tu despedaçado por dentro? Vês os prédios que caem com o tempo ou sentes uma implosão no teu interior?

Esfregas os olhos e fechas o computador. Sais desse ecrã e entras no outro, naquele em que as mãos roçam nas outras ao andar, os ombros provocam encontrões acidentais, o calor dos corpos se acumula em cada estação.

Aquele zumbido que não cessa, como uma bateria sobrecarregada, como uma lâmpada sozinha num corredor branco, como uma mosca presa contra o vidro.

O mar visto com lampos de luz branca, os grãos de areia que não sentes, as gaivotas que não ouves e o vento que te mantêm suspenso neste mundo.

É o mundo que não faz sentido ou tu que já não o compreendes? A estática da dificuldade de integração, da procura no teu lugar neste universo, da constante necessidade de sentir porquê.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s