Vermelho infinito

Sabes aquele semáforo infinito no cruzamento no cimo da avenida? Todos os dias fico lá  parada a ver os carros que passam a correr, as buzinadelas de quem decidiu virar sem avisar, os condutores loucos que conseguem discutir em audios do WhatsApp enquanto gesticulam no meio do trânsito. 

E eu ali. A fixar o peão vermelho e a tentar transformá-lo em verde com o poder da mente. Semicerro os olhos, sempre funciona melhor que o botão inútil do poste.

Às vezes, do outro lado da avenida, vejo os mesmos rostos de outras esperas. O senhor da lancheira amarela, a rapariga dos caracóis loiros, aquela rapariga que tem um sobretudo maior do que ela.

Às vezes sorriem-me, reconhecem-me. Seremos amigos de esperas infinitas? Do tempo lento das manhãs que voam?

O vermelho é tão lento que tenho tempo para pensar. Para refletir, ainda naquele estado entre o sono e o acordar. Vêm-me à cabeça imagens do dia anterior, dos medos desta noite, dos sonhos de amanhã e das esperanças de hoje.

Os personagens das histórias e da vida real cruzam-se sem nunca se ver. Vivem os mesmos guiões mas em estradas paralelas. Os meus desejos decidem popular as minhas rotinas. Confundir-me. Iludir-me.

Sabes aquele semáforo infinito lá no cimo da avenida? Onde paramos todas as manhãs bloqueados no tempo. Impedidos de andar. Onde passamos lado a lado mas nunca nos tocamos.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s